Mae! Eu ja li a Biblia toda varias vezes. E a conclusao que cheguei e que a missao de todos nos, aqui na terra, e amarmos uns aos outros!
HUGO MAGNO DE BARROS GIUBERTI
Desceu a terra em 10/09/85 e Subiu ao ceu em 20/08/07

segunda-feira, 7 de julho de 2008

O tempo e inimigo da saudade...

Faz tempo que nao escrevo aqui.
Nao porque me esqueci desse blog. Todos os dias entro aqui, dou um beijo na foto de meu filho e saio. Saio sem palavras...
Algumas vezes a saudade e a dor da ausencia nos deixam sem palavras.
Hoje decidi escrever.
Queria muito que nao so as maes orfas lessem o que vou escrever abaixo , mas tambem alguem que conheca alguma. Alguem que conviva com alguma mae orfa.
Talvez um pai orfao de filho. Talvez um amigo ou amiga de uma mae orfa, mas que ainda tem o privilegio de cuidar de seu filho ainda na terra. Talvez um irmao. Talvez um filho ou filha sobrevivente... Para esses escrevo.
Escrevo-lhes, porque se faz necessario fazer-lhes saber que a saudade atenua com o tempo, e nao como querem crer...ela nao diminui.
O tempo e inimigo da saudade e nao a beneficia em nada!
Acreditava que todo ser pensante ja sabia que o tempo aumenta a dor da saudade. Isso e tao natural.
Quem nao sabe que quando nao vemos alguem por um dia, nao sentimos tanta saudade quanto sentimos quando nao a vemos por um, dois, tres anos ou mais?
Mesmo assim as pessoas fecham os olhos para essa realidade, e querem mesmo fazer uma mae orfa crer que a dor da saudade ira diminuir com o tempo. Isso e indecente!
Para as maes orfas , meu filho Hugo, foi levado por Deus a pouco tempo. Mas curiosamente para aqueles que nunca experimentaram a imensa dor de ver um filho partir, 9 ou 10 meses ja e tempo suficiente para uma mae sequer falar de seu filho.
Que crueldade! E que falta de entendimento!
Imagino que quando se cumprir 1 ano da partida de meu filho, as pessoas ja irao comecar a me cobrar um sorriso constante. Afinal como viver um luto perpetuo? Nao temos o direito de chorarmos a morte de um filho para sempre.
Como andarmos pelos mesmos lugares que eles andaram.Ou conhecermos lugares que gostariamos de compartilhar tais novas descobertas com nossos rebentos, sem nos lembrarmos deles?
Como podemos ver seus amigos casarem, se formarem, seguirem seus rumos sem imaginarmos como seria o futuro dos nossos?
Como podemos experimentar aquele seu prato preferido, sem lembrarmos do quanto ele gostava daquilo?
Para quem nao conhece o quanto e grande entregar um filho a Deus, e facil acreditar que 10 anos apos a isso, a mae orfa ja nao tem nenhuma razao para sofrer...
Mentira! Engano! Ledo engano...
O luto de um filho e para sempre. Ainda que a psicologia teime em dizer que a fase critica de um luto ocorre em 6 meses. Eu e qualquer outra mae orfa, pode garantir que essa fase critica do luto de uma mae nunca vai passar. Mesmo porque as reacoes sao variadas.
Algumas de nos so vamos entender o que realmente aconteceu APOS 6 meses. Isso posso garantir!
Ate la, ate o cheiro dos nossos rebentos ainda e muito presente.
Ainda recebem cartas ou telefonemas. Ou ate mesmo as contas dos hospitais ainda estao sendo pagas.
Como estar na fase critica do luto num periodo em que tudo concorre para respaldar o que ainda nao queremos acreditar?
E justamente quando ele comeca a ser esquecido que a realidade cai com furia sobre nossas cabecas.
E justamente quando ninguem mais fala, ou quer falar, que a mae orfa senta-se sozinha e recorda que um dia ele andou com seu corpo na terra.
E quando o cheiro de suas roupas se esvai...
E quando as pessoas nao telefonam mais procurando-o.
E quando as cartas nao chegam mais...
Que a mae orfa, calada, num silencio profundo vive sozinha o inicio de um luto isolado, sem ninguem para acompanhar.
Sem ninguem para consolar...
O que deveria ser um consolo passa entao a ser uma cobranca.
Maridos passam a cobrar uma vida sexual ativa.
Filhos passam a cobrar uma alegria constante.
Maes passam a cobrar disposicao.
Amigos passam a cobrar esquecimento.
E vizinhos passam a cobrar o silencio...
Silencio...
O silencio do tumulo. Dito silencio sepulcral.
Ironia...
E justamente o silencio do tumulo que grita nos ouvidos da mae que calada segue o seu destino, que e o de carregar a ausencia gritante de um filho que tanto amou, e ainda ama, e sempre amara...
Esse silencio sepulcral...
Silencio que vem de encontro a dor da saudade para nos dizer : E verdade!
Todos os dias fazemos uma meditacao que nos encoraja a continuarmos aqui, que e: Ele esta com Deus, portanto vou levantar, vou me vestir e vou seguir o meu destino.
Nao vou acreditar que isso passara com o tempo, porque eu sei que e mentira!
Nao vou acreditar que algum dia eu levantarei de minha cama e me esquecerei que ele passou por aqui, como ele era, quais ambicoes tinha, quais projetos terrenos queria executar, quem amou, o que desejou , que comida gostava, qual a cor preferida, ou ate mesmo do timble de sua voz...
Para as pessoas que passam no meu trajeto evito falar, evito citar. Nao porque esqueci-me dele, mas porque nao quero ouvir alguem aconselhar-me a esquecer...
Maes orfas sao guerreiras sim...
Sao guerreiras porque enfrentam a dor, o silencio, a saudade, e ainda tem que enfrentar o desprezo a tudo o que sente.
Sao guerreiras porque conseguem prosseguir a vida sem alguem que representa uma parte de si mesma.
Sao guerreiras porque conseguem sobreviver a isso, e continuarem sendo pessoas boas e nao frias.
Sao guerreiras...
Guerreiras e sempre muito espirituais.
Nada torna uma pessoa mais espiritual do que saber que seu filho agora faz parte do mundo celeste.
Queremos meditar no ceu. Sabermos como e. Como vivem la. Se se lembram de nos. Se vamos reconhece-los quando for a nossa hora de estarmos la.
Passamos a viver meio la...meio ca...
Nao somos mais de todas terrenas.
Nossa otica ganhou nova visao.
Vivemos um outro prisma.
Novos conceitos.
Nossas conclusoes a respeito da vida.
Nao podemos mais perder tempo .
O tempo para nos agora e muito precioso, pois e ele a chave do reencontro.
Somos agora uma nova esposa. Uma nova mae, uma nova filha.
Nao somos as mesmas pessoas que conheceram. Existe um outro "eu" maior, mais espiritual dentro de nos.
Esse novo "Eu" e capaz de amar com toda forca do amor, nossos maridos, nossos filhos sobreviventes, nossos amigos , nossos pais . Amarmos todos que estao na terra. No entanto existe um alguem que agora faz parte de outro mundo , do mundo celestial, que tambem e digno de nosso amor. E nao precisamos deixar de ama-los parar provar que amamos voces.
Nao precisamos e nao queremos esquece-los para continuarmos nossas vidas , nosso dia a dia.
E a saudade?
O que a fe pode ter a ver com a saudade?
Podemos acreditar que estao com Deus. Confiarmos cegamente nisso. Sabermos com toda as nossas consciencias que estao bem, ao mesmo tempo sentirmos saudades.
Saudade e sentir falta! E querer tocar! E querer ouvir! E querer conviver!. E o que isso tem a ver com fe?!
Jesus chorou a morte de Lazaro. Porque nao chorariamos a morte de nossos filhos, se a nossa fe nao pode ser comparada com a fe de Jesus?. E se nao podemos ressucita-los, como Jesus ressucitou a Lazaro?!
Maria sabia que Jesus estava com Deus. Que estava feliz! Que havia tido a vitoria de voltar a direita do Pai. Porque nao podemos lamentar a morte de nossos filhos, se nem um anjo veio nos contar o que aconteceria com eles em vida, como fez com Maria?.
Mesmo assim Maria chorou a morte de Seu filho. Lamentou-se diante a cruz. Acompanhou o sofrimento dÉle. Ficou do lado dÉle ate o suspiro final chorando a sua dor.
Porque nos, simples mortais, temos que ouvir de alguns que a fe, ou o tempo ira solucionar uma dor que nao tem fim?!
Porque nos cobram a superacao baseada na fe? A superacao baseada no tempo?
Eu creio de todo o meu coracao, que ainda que Maria soubesse que Jesus estava com Deus, e que possivelmente recebeu a visita de muitos anjos para falar disso e consolar seu coracao, ainda assim ela carregou o silencio sepulcral de um luto isolado.
Se nos cobram nao sofrer porque estao com Deus. Imagine o quanto cobraram de Maria muito mais. Uma vez que Jesus e o filho de Deus.
Posso ate imaginar os discipulos de Jesus consolando Maria com as seguintes palavras: "Seu filho esta com Deus! Portanto nao chore!.
O que a saudade tem a ver com reconhecer isso?!
Absolutamente nada!
A ausencia continua, ainda que exista a consciencia de onde estao. Com quem estao.
Ou nao sentem saudades quando alguem que ama viaja?
E essa saudade diminiu com o tempo?
Ou o tempo agrava a saudade?
E claro que o tempo agrava a saudade, e todos sabem disso.
Portanto nao ignorem a dor de uma mae que entregou um filho a Deus a mais de 10 anos atras. Essa dor e latente! Viva! Ela existe! E nunca..nunca enquanto uma mae orfa viver na terra ela ira passar.
Por isso o tempo esta contra a mae orfa, mas tambem a favor. Pois e ele, o tempo, que nos aproxima do grande e maravilhoso dia...
O dia do reencontro...

3 Comments:

Fabiana said...

Querida, te admiro.

Me pergunto como você consegue?

Como você consegue seguir confiando em Deus!

Não, não. Eu jamais conseguiria se Ele me tirasse a Laurinha, simplesmente pq é muito amor, amor que embriaga, amor sem pudor, sem fronteira, sem egoísmo.

Não, não, apesar de cristã, eu não conseguiria ter tua fé.

Parabéns, continue escrevendo para que sirvas de exemplo à outras mães.

Beijos

Fabiana said...

Parabéns pela sua fé!

Line said...

Oi guerreira!Sou da Pgm,e vi as coisas q vc tava falando com um garota chamada Nayara,vi o post e a curiosidade foi mais forte,li todo o post q escreveu e achei mto interessante,perdi meu tio e vejo o sofrimento de minha avó,tem 8 anos q ela devolveu ele pra Deus,e o sofrimento é o mesmo,ou até pior pq a sensação de q ele vai voltar vai desaparecendo e bate o desespero,concordo com tudo q a senhora escreveu,tbm perdi um grande amigo a 7 meses e é horrivel ,saber q ele n vai mais voltar,q eu n vou mais vê-lo,ouvir a voz,as gargalhadas,q n vou mais senti-lo,ver as brincadeiras,tanta saudade...achei uma verdadeira ofensa daquela garota com todas aquelas palavras,ela n sabe o q mães como vc sentem...fique em paz viu?!bjuuus...

d